quarta-feira, 31 de outubro de 2012

O Tempo Que Não Guardamos para Fazer o Que Gostamos

Pensa na coisa que mais gostas de fazer. Agora escreve num papel quanto tempo é que lhe dedicas por semana, em média. Se escreveste:
  • 0 minutos (ou algo parecido), este post é especialmente para ti!
  • Um intervalo de tempo razoável, dou-te os meus parabéns! Sabes gerir o teu tempo e consegues arranjar espaço no teu horário para fazeres aquilo de que gostas.
  • Mais de 84h e a coisa em que pensaste foi dormir, sugiro que leias isto.

Vamos lá. Como já deves ter percebido, hoje vamos falar sobre o tempo que cada um investe naquilo que gosta de fazer. E vamos fazê-lo de uma forma especial. Imagina que uma amiga tua (a Sara) chega ao pé de ti e diz:
“Há um ano que não tenho tido tempo para nada! Nem para correr, que é a coisa que mais gosto de fazer, nem para estar com os meus amigos.” O que é que responderias? Experimenta isto:

“Querida Sara, os dias têm a mesma duração para toda a gente. Não tenho dúvidas que tens tido tempo para alguma coisa, quanto mais não seja para comer, trabalhar e dormir. Desta forma, acho que o problema não está tanto no tempo que tens disponível, mas mais com as tuas prioridades.

Se calhar, o que se passa é que correr e veres os teus amigos não está na tua lista de prioridades. Será que eras capaz de abdicar de tempo a ver televisão, ou mesmo a trabalhar, para o investires no que dizes serem os teus maiores interesses? Se sim, fá-lo sem hesitar e com a regularidade que for possível. Se não, talvez devesses repensar sobre aquilo que realmente é importante para ti.


Às vezes gostamos mesmo de uma coisa, mas deixamos que o trabalho ou outros interesses de menor importância suguem todo o tempo disponível que temos. Toma um tempinho e vê se é isso que te está acontecer.

Mais ainda: surpreendentemente, as coisas que nos dão mais gozo fazer nem sempre dão um gozo imediato. Eu gosto de [preenche com um gosto teu] mas nem sempre tenho a maior vontade do mundo para o fazer, quando chega a altura para tal. Um amante de corrida como tu, nem sempre sente que ir correr às 7 da manhã de uma segunda-feira é o que lhe apetece mais fazer. Mas no final vale a pena e até soube bem.



Aqui ficam algumas dicas para levares os teus interesses adiante:
  • Define objetivos: marca corridas no teu calendário e planeia encontros com a tua amiga. Mas nada de pressas exageradas! Os propósitos devem ser “poucos, práticos, possíveis e progressivos”, como dizia o Pe. Pinto Magalhães.
  • Define prazos: os objetivos são ótimos. Mas ficam ainda melhores se forem acompanhados por um prazo. Uma pressãozinha em termos de tempo nunca fez mal a ninguém, e é bem capaz de te ajudar a cumprir os objetivos a que te propuseres. Se disseres a ti mesma que daqui a 1 mês queres ter menos 2 kg, vais dar por ti a correr mais e melhor, de forma a cumprires o teu objetivo dentro do prazo.


    ---------------------------------

The Time One Doesn't Save to Do What He Likes

Think about that one thing you enjoy doing the most. Now write down on a piece of paper the average amount of time a week that you dedicate to it. If you wrote:
  • 0 minutes (ou something like it), this post is specially meant for you!
  • A reasonable interval of time, I congratulate you! You know how to manage your time and you can actually spend some of it doing what you like.
  • More than 84 hours and the thing you thought about was sleeping, I suggest you read this (but learn some portuguese first).

Ok, let’s move on. As you have probably understood by now, today we are speaking about the amount of time that one invests in what he/she likes to do. And we are going to do it in a special way. Imagine a friend of yours named Sarah comes to you and says:
“This last year I’ve been having absolutely no time for anything! Neither to run, which is the thing I like to do the most, nor to be with my friends.” What would you answer? Try this:

“Dear Sarah, each day has the exact same amount of hours for everyone. I have no doubts that you’ve been having time for at least eating, working and sleeping. So the problem here might not be so much about lack of time, but rather about your priorities priorities.

Maybe what’s happening is that running and meeting your friends are not in your list of priorities. Would you be able to give up some time of watching television, or even of work, to invest it in something which you claim that is in your biggest interests? If so, do it as regularly as possible and without hesitating. If not, maybe you should rethink about what you think is really important for you. Sometimes we really like something but we let work and other occupations suck away all the time that we have available.

And I’ll tell you more: surprisingly, the things we like to do the most don’t always provide us with an immediate pleasure. I like [fill in with a taste of your own] but I don’t feel like doing it all the time. A jogging lover such as you not always feels like go on a rua at 7am on a Monday. But in the end it’s worth the effort.



Here are some tips that might help you with spending more time doing what interests you the most:

  •       Set goals: Schedule some jogging time in your calendarar na plan some meetings with your friends. But no exhagerated rush! Objectives should be “a few, practical, possible and progressive”, as priest Pinto Magalhães said already.
  •  ·   Set deadlines: objectives are great. But they get even better provided that they are accompanied by a deadline. A little pressure in terms of time has never hurt anyone, and it might be a really good help when it comes to fulfill the objectives you’ve set out for yourself. Say your self that in 1 month you want to have 2kg less, and you’ll notice that you’ll run more times and in na improved way, so you can accomplish your objective in time.

3 comentários:

  1. gostei muito miguel, e adequa-se na perfeição a mim este post! beijinhos e continua

    ResponderEliminar
  2. boa Miguel.
    e tu, tens tempo para isso?

    ResponderEliminar